Catha Castro é jornalista e apaixonada por viajar e comer bem. Está sempre buscando um novo destino, um novo restaurante e um novo cantinho no mundo para chamar de seu. Hoje ela nos conta de sua viagem para Buenos Aires e dos lugares que a fizeram sentir uma típica portenha. Confira mais dicas em seu blog Catha Castro e no seu insta @cathacastro

O que descobri perambulando durante uma semana em Palermo, bairro mais descolado de Buenos Aires

Já tinha estado na capital argentina algumas vezes e depois dessa última vez, se pudesse, iria no mínimo uma vez por ano. Buenos Aires é uma cidade diversa e cosmopolita, com ar europeu e charme latino. Para mim, uma mistura imbatível. Daqueles lugares que sempre quero voltar.

Para começar, esqueça essa rixa idiota plantada na cabeça de alguns brasileiros por conta do futebol. Os argentinos são educados, cultos e não falam de futebol o tempo todo, como alguns erradamente pensam. Aliás, dessa vez não ouvi “Maradona es mejor que Pelé” nem uma vez.

Galeria Pacífico (Foto: Shutterstock)

Se for sua primeira vez na cidade, não deixe de fazer os passeios clássicos: Casa Rosada, Caminito, La Boca, Puerto Madero, Obelisco, Galeria Pacífico, Rua Florida, Café Tortoni, entre outros. Mas se você já esteve por lá ou não gosta de roteiros clássicos e tão clichês, esse post é para você.

Escolhi ficar em Palermo e repetiria a decisão mil vezes. Para vocês terem uma ideia da minha sintonia com o lugar, saibam que eu moraria em Palermo.

Palermo é uma mistura de Pinheiros e Vila Madalena com ares de Higienópolis. O bairro é cheio de galerias, lojas de roupa, artigos de decoração, restaurantes, brewpubs e cafés. Enfim, é uma delícia circular pelas ruas arborizadas e aconchegantes sem preocupação com o tempo.

Ruas de Palermo, em Buenos Aires (Foto: Catha Castro)

1 – Cafés – acho que poucas coisas são tão argentinas quantos os cafés. E muito embora o Brasil seja o maior produtor destes grãos do mundo, é em Buenos Aires que os locais dedicados ao café ganham certo destaque. Palermo está cheio deles. De todos os tipos e tamanhos, chamam a atenção de quem caminha pelas ruas do bairro. Eu indico dois: LATTEnte café (Calle Thames, 1891), onde tomei o melhor Flat White da vida, e Full City Coffee House (Calle Thames, 1535), onde comi uma Arepa Capresa divina! Porque nem só de cafeína se vive.

2 – Malba – o Museu de Arte Latinoamericano de Buenos Aires (Malba) é parada obrigatória para os amantes da arte. Inaugurado em 2001, ele abriga em suas dependências um amplo acervo da arte latino-americana desde o início do século XX até a atualidade. Em sua coleção permanente estão obras de Cândido Portinari, Frida Kahlo e seu auto-retrato, Tarsila do Amaral e seu Abapuru, entre outros artistas e obras de aclamados. Quando estive no museu em julho pude apreciar a exposição fotográfica da nova-iorquina Diane Arbus, uma das fotógrafas mais influentes do século XX. A mostra segue em cartaz até o início de outubro.

3 – Livrarias – ainda falando em arte e cultura, Buenos Aires também surpreende quando o assunto é livrarias. Perdi algumas horas na livraria Libros del Pasaje na calle Thames, 1762. Além de um acervo magnífico, um charmoso café premia os que estão de passagem pelo local. Aproveitei aquele ambiente inspirador para tomar uma taça de vinho e brindar à vida.

4 – Restaurantes – ir à Argentina e não comer uma parilla é como ir a Roma e não ver o Papa. Eu que sou fã das carnes dos nossos hermanos, não resistiria passar uma semana sem elas. Nesse quesito, indico o Don Julio Parilla (Calle Guatemala,  4699), onde comi sem dúvida uma das melhores carnes da minha vida. Mas, como nem só de carne vivemos, eu aproveito para indicar o charmoso Ma’Grecht (Avenida Cerviño, 3299), um delicioso restaurante de comida saudável no bairro.

5 – Ruas – aventurar-se pelas ruas de Palermo é surpreender-se a cada momento. Seja com uma lojinha fofa ou simplesmente com as árvores que esbanjavam encantamento no inverno portenho. Foi em uma dessas caminhadas que descobri as melhores empanadas que já comi na vida. O local chama Rinery Empanadas e fica na esquina da calle Malabia com a calle Paraguay. Se eu pudesse, juro que pegava um voo agora somente para poder comê-las novamente. Foi caminhando despretensiosamente que descobri a gelateria Lucciano’s (Calle Honduras,  4881), em um domingo de sol com filas a la Bacio de Latte. Mas valeu a espera. O gelato é realmente delicioso.

Ruas de Palermo (Foto: acervo pessoal)

6 – Feiras de artesanato – eu sou apaixonada por feiras de artesanato e por isso, fiquei extremamente feliz quando vi a feirinha da calle Honduras, bem perto do meu hotel, o L’Hotel, localizado na calle Thames. A feira acontece aos finais de semana e tem vários artigos lindos (roupas, bolsas, quadrinhos, etc.). Ali perto, a praça dos imigrantes armênios também abriga uma feira de artesanato aos fins de semana. Vale a pena dar uma passeada por lá.

Catha pelas ruas de Palermo (Foto: acervo pessoal)

7 – Parques – Os parques são um capítulo à parte na envolvente Buenos Aires e Palermo também não decepciona nesse quesito. É no bairro que estão o famoso Jardim Japonês e o Jardim Botânico sem contar com outros tantos gramados verdes onde é possível se perder no tempo ou observar os costumes locais, como eu fiz no parque Las Heras.

Enfim, não faltam motivos para amar Palermo e querer sempre voltar.​​

Posts relacionados