Lima tem uma mistura de história e gastronomia que encanta. Seu caótico trânsito pode ser compensado pelas horas que passará sentado à mesa degustando uma excepcional gastronomia. Agora, o que visitar em Lima, além dos restaurantes?

Lima, Peru – Capital do país, Lima foi fundada em 1535 pelo espanhol Francisco Pizarro, que derrotou o até então governante Inca Atahualpafor. A maior cidade do país é conhecida como a Cidade dos Reis e foi o foco central do império espanhol por 70 anos, por conta da  troca comercial e cultural com a Europa.

Lima é uma cidade plural, vai das construções coloniais aos bazares orientais. Das feiras de ruas aos premiados restaurantes. Plana, é uma cidade que convida a explorar, principalmente o charmoso bairro de Miraflores e seu calçadão a beira-mar. Seu centro histórico é Patrimônio Cultural da Humanidade da UNESCO pela sua arquitetura colonial. A cidade tem muitos espaços culturais e possui numerosos museus e galerias de arte.

Veja o roteiro do que visitar, além de Machu Picchu

O trânsito de Lima é caótico, então uma boa programação é necessária. Reserve um restaurante perto da atração que estiver, para não ter que cruzar a cidade – e perder a reservar. Aproveite Lima como tem que ser: unindo a programação a um bom restaurante. Dos passeios, caminhe a pé ou de bicicleta pelo calçadão de Miraflores, visita à Plaza Mayor no centro histórico e as lojinhas de Barranco, como a Dédalo, que tem um mix incrível de artesanatos a peças de design.

Dédalo, loja imperdível em Barranco (shutterstock)

Roteiro do que visitar em Lima:

Plaza Maior: local onde Lima foi fundada, é o coração da cidade. No entorno da praça de 140m², estão o Palácio do Governo, o Palácio Azorbispal, a Catedral e o Edifício Club da União.

Plaza Mayor (Fotos Daniela Filomeno e Rodrigo Zorzi)

Basílica Catedral de Lima: após o terremoto de 1746, foi reconstruída em estilo barroco- renascentista, predominante mesmo após sua última restauração, depois de mais um tremor de terra em 1940. Lá fica o Museu de Arte Religioso, com belos móveis, esculturas e quadros, a maioria deles da escola cusquenha, recebidos pela igreja como donativos de colecionadores. E também o túmulo de  Francisco Pizarro, ali enterrado por exigência de sua filha Francisca, que patrocinou parte das obras da igreja original.

Catedral de Lima que tem o túmulo de Pizarro, espanhol fundador da cidade (Fotos Daniela Filomeno e Rodrigo Zorzi)

Igreja de Santo Domingo: o mosteiro mais antigo de Lima, da época de sua fundação, quando era uma verdadeira cidade dentro da cidade. Sua construção levou cerca de 50 anos. No século XVIII, o mosteiro foi reformado. Sua torre é a mais alta de Lima no gênero. O mais interessante de ver são os claustros e os pátios com azulejos andaluzes. O local foi sede da Universidad Nacional Mayor de San Marcos, fundada em 1551, a primeira universidade do Peru. 

Bairro de Barranco: lugar preferido de moradia da antiga aristocracia limenha, cheio de casarões “republicanos”, Barrancos tornou-se há alguns anos em um bairro descolado, descoberto inicialmente por intelectuais e artistas, depois por donos de lojas moderninhas e para quem quer badalar ou tomar um drinque. Hoje, é um dos melhores lugares para sair à noite em Lima.

Bairro de Miraflores: vizinho a San Isidro, o chique e animado bairro de Miraflores, concentra os melhores restaurantes, bares e lojas de Lima, parques como o Kennedy e o Salazar, o elegante shopping center Larcomar e as praias de Lima (têm águas frias). E tem um calçadão de frente para o mar que vale a caminhada. 

MATE- Museo Mario Testino: o Museo Mario Testino é um centro sem fins lucrativos para promover e contribuir com a cultura e patrimônio peruano. Tem o melhor da arte contemporânea internacional e da fotografia, além de uma exibição permanente do trabalho de Mario Testino. Ele fica em uma casa restaurada do século XIX.

Mate – Museu Mario Testino

Bairro de San Isidro: o rico bairro de San Isidro possui casas luxuosas, prédios modernos, comércio sofisticado e áreas verdes, como o parque El Olivar, que tomou esse nome em razão de seu bosque de oliveiras centenárias. No bairro há palacetes antigos como a Casa de Los Condes e a histórica Casa de El Olivar, que conserva boa parte de seus móveis coloniais, transformada hoje em restaurante turístico. Em San Isidro ficam ainda a Huaca Huallamarca, uma enorme construção pré-incaica de adobe, e a bonita Basilica de la Virgen del Pilar.

Se tiver mais de um dia:

Museu Arqueológico Rafael Barco Herrera: instalado num belo palacete do século XVIII, é famoso por sua espetacular coleção de peças eróticas mochicas, um verdadeiro Kamasutra pré-colombiano. Segundo o arqueólogo Federico Kauffman-Doig, Diretor do Instituto Nacional de Cultura e autor do livro El sexo en el Antiguo Peru, apesar das peças estarem relacionadas a símbolos de fertilidade e abundância, a Igreja e as autoridades coloniais mantiveram esse extraordinário acervo praticamente escondido durante séculos. O Larco possui também uma rica coleção de objetos, tecidos e peças em ouro e prata das variadas culturas pré- colombianas.

Museu de Arte de Lima: o belo edifício neorrenascentista foi construído em ferro, inovação arquitetônica na época, para abrigar a Exposição Universal de Lima, em 1872. O acervo inclui cerâmicas e tecidos pré-colombianos, de diversas culturas, tais como Moche, Chávin, Nazca e Paracas, e pinturas de todas as eras, da colonial à contemporânea.

Igreja de São Francisco: a igreja e o convento são do século XVII. No claustro com azulejos sevilhanos funciona um museu. As catacumbas podem ser visitadas.

Confira os restaurantes imperdíveis na cidade! 

Onde comer em Lima, no Peru

Posts relacionados