Quando li sobre San Blas pela primeira vez, não entendi direito…achei que era uma ilha paradisíaca com hotéis maravilhosos e coloquei na cabeça que seria o primeiro lugar que iria visitar quando chegasse no Panamá. Porém, estava enganada!

Fui pesquisando e descobri que San Blas é um arquipélago com 365 ilhas, uma mais linda do que a outra, porém nenhuma tem hotel – muito menos aqueles resorts luxuosos que estamos acostumados a ver em ilhas caribenhas.

Todas as ilhas são administradas por índios e por lá só cabanas bem simples. Muitas pé na areia e com banheiro compartilhado e por isso fomos adiando nossa ida. Não somos muito aventureiros e eu achava que ir só para passar o dia não compensava. Engano meu. Vale e muito a pena! Se você tiver mais de um dia no Panamá, faça esse bate e volta que é inesquecível.

Para chegar até San Blas a melhor maneira é contratar um índio especializado em receber os turistas para te encontrar no porto e levar até as ilhas ou pode contratá-lo para te buscar no hotel, o que eu acho mais fácil, pois o carro precisa ser 4×4 e a estrada é bem chatinha, cheia de curvas. A viagem dura cerca de 2 horas e recomendo que você tome um remédio para enjôo – no meu caso foi fundamental!

 

Provavelmente, no seu hotel irão indicar alguma empresa que faça esse passeio ou você pode fazer essa contratação sozinho, direto com um índio. Como foi nossa primeira vez visitando a ilha e não conhecia nenhum índio de confiança, acabei escolhendo contratar a Liliana, do Guia Panamá. Ela organizou tudo e foi maravilhoso, recomendamos. Outra coisa que você terá que decidir é se terá o passeio privado ou em grupo, preferimos ter o passeio privado, apenas eu e meu marido no barco, mas se quiser economizar pegue o em grupo e aproveite para conhecer novas pessoas.

Confira também: o que fazer na Cidade do Panamá em apenas um dia! 

O nosso transfer (um dos índios especializados em receber turistas que comentei acima) veio nos buscar às 5h30 – isso mesmo, o passeio sai cedinho. Logo que saímos ele perguntou se queríamos passar no mercado para comprar bebidas e petiscos. Como eu sabia disso, já estava levando uma bolsa térmica com cerveja, água e refrigerante. Lá é super normal e nem um pouco vergonhoso levar um cooler com suas próprias bebidas. No passeio, o café da manhã e almoço, bem simples e gostosos, estavam inclusos.

Almoço na Isla Perro Chico

Passamos um dia incrível e conhecemos quatro ilhas diferentes. O café da manhã e o almoço foram na Isla Perro Chico, considerada a ilha mais bonita e consequentemente a mais cheia, mas eu gostei mais da Perro Grande. Por volta das 15h é hora de voltar para o porto – lá tem alguns banheiros pagos para trocar de roupa e se arrumar antes de enfrentar a estrada de volta para a Cidade do Panamá.

Fotos: Lela de Vincenzo

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Os amantes de gastronomia, com certeza, já ouviram falar da Graziela de Vincenzo (conhecida por Lela). Ela é o nome por trás do super @jantinhadehoje / jantinhadehoje.com.br . Formada em Hotelaria na Suíça e Gastronomia na Le Cordon Bleu, Paris,  já teve restaurante, mas hoje em dia gosta de cozinhar somente para amigos e compartilha incríveis receitas e dicas no blog e Instagram. Atualmente, mora na Cidade do Panamá, e compartilhará aqui suas descobertas gastronômicas e turísticas no país – e pelo mundo.

Posts relacionados