Diferente, moderna, fervida, cool… Não faltam adjetivos para descrever Berlim, uma das cidades mais apaixonantes da Europa

A primeira impressão de Berlim é festa estranha com gente esquisita. É difícil se sentir confortável logo de cara. O motivo de tanto estranhamento é plural: o idioma, o distanciamento e a aparente frieza do povo alemão, o relativo silêncio por toda cidade, as pessoas super estilosas que fazem você parecer um jeca, um certo clima niilista que paira no ar, a falta de grandes monumentos que gera uma concentração de turistas e movimenta outras capitais europeias… A sensação que fica é que tudo isso é uma artimanha de Berlim para que não nos apaixonarmos pela cidade, o que é praticamente impossível.

Berlim tem muita personalidade, por isso é tão difícil compreendê-la numa primeira visita. Palco de eventos históricos, a cidade parece que está se reconstruindo e se reinventando a todo momento. Berlim é um lugar que se revela aos poucos e, certamente, vai enfeitiçar os turistas de primeira viagem. Abaixo, uma sugestão de um roteiro bem básico para quem nunca foi à capital alemã.

Dia 1: AlexanderPlatz, Ilha dos Museus e Mitte

AlexanderPlatz

Não há maneira melhor de começar a conhecer Berlim do que pela Alexanderplatz, um dos pontos mais movimentados da cidade. Ali em volta estão concentradas grandes redes de lojas, além da Berliner Fernsehturm, torre da TV inaugurada pelos soviéticos em 1969, que possui uma das vistas panorâmicas mais bonitas da cidade. Vez ou outra, rolam feirinhas na Alexanderplatz em que são vendidos roupas, comidas e outros objetos.

De lá, é possível ir caminhando para Ilha dos Museus, que é o paraíso para os amantes da arte. Ali se concentram os museus mais importantes da capital, o Bode Museum, Neues Museum, Alte Nationalgalerie, Altes Museum, Perganom Museum e a Berlim Dom, a catedral de Berlim. Atrás da Berlim Dom, fica o pequeno Museu da DDR, que mostra um pouco da vida na então Alemanha Oriental.

Após a imersão nos museus, vale um passeio pelo bairro de Mitte, que concentra lojas de estilistas locais e bons restaurantes. Dê uma atenção especial aos vietnamitas.

Berlim para gays: quais baladas ir?

Dia 2: Portão de Brandeburgo, Monumento do Holocausto, ReichStag e Tiergarten

Reich Stag e sua famosa cúpula de vidro

Construído no século XVII, o Portão de Brandeburgo testemunhou momentos importantes da história alemã, como as invasões das tropas de Napoleão, as paradas nazistas e a divisão de Berlim entre socialistas e capitalistas. É parada obrigatória para selfies.

Colado ao Portão de Brandeburgo está o Reich Stag, onde funciona o Parlamento alemão. O local foi destruído na Segunda Guerra e, posteriormente, reformado com uma cúpula em vidro. Para visitar o local, é preciso marcar hora, então, programe-se.

Saindo do Reich Stag, pode-ser visitar o Memorial do Holocausto, que reúne mais de 2700 blocos de concreto que representam os 6 milhões de judeus mortos durante o governo de Hitler. É um lugar de muita reflexão, onde fotos não são tão apropriadas.

Dali, o melhor lugar para ir é o Tiergarten, um parque imenso que se alonga por uma extensão de cinco quilômetros. Esse é o lugar ideal para relaxar, ler um livro e fazer um piquenique.

Conheça a gastronomia de Rüdesheim na Alemanha

Dia 03: East Side Gallery e Kreuzberg

East Side Gallery

Um lugar que merece ser visitado são os resquícios do Muro de Berlim. Certamente, o melhor lugar para isso é a famosa East Side Gallery, que mantém preservado uma extensão de 1,3 quilômetro do muro. As fachadas foram tomadas por pinturas feitas por diversos artistas e fez com quem a East Side Gallery se tornasse a maior galeria de arte ao ar livre do mundo. De lá, é possível ir caminhando pelas ruas de Kreuzberg, um dos bairros mais modernos e alternativos de Berlim. Ali vale a pena conhecer o Markthalle Neun, um mercado que vende uma variedade incrível de comidas típicas. Kreuzberg também possui muitos brechós e lojas de estilistas locais, o que agrada em cheio quem busca peças diferentes e únicas.

Rüdesheim: tranquilidade e bons vinhos na Alemanha

Como Chegar

A maneira mais fácil de chegar em Berlim é pegar um voo direto da Lufthansa do Brasil para Frankufurt e de lá seguir para a capital alemã. Outras opções são KLM, Swiss Airline, Air France e Alitalia. Todas os voos oferecidos por essas companhias aéreas fazem escala antes de chegar a Berlim.

Os hotspots de Alicia Kuczmann em Berlim

Onde ficar

Se você gosta de bons restaurantes, quer ficar perto de estações de metro e ir a pontos turísticos a pé, a melhor opção é Mitte. Neste bairro, há hotéis para todos os tipos de bolsos, hostels e uma oferta variada de AirBnb.

Posts relacionados