Atualmente cobrindo cinco regiões do Brasil (Sul, Sudeste, Norte, Nordeste e Centro-Oeste), plataforma vai expandir para o outro lado do Oceano Atlântico, mostrando as influências da cozinha brasileira na terra dos colonizadores. A partir daí, vão registrar em vídeo e apontar onde Brasil e Portugal se relacionam na cozinha, se é que ela acontece.

Porto Alegre, RS – A plataforma gastronômica Fartura, que identifica e mapeia produtores e chefs – a fim de eternizar produtos e receitas típicas de cada região – vai expandir. Entre o fim de outubro e início de novembro deste 2018, o festival desembarca em Portugal. O evento acontecerá um pouco diferente do que já é desenvolvido no Brasil, com foco mais em aulas e venda de produtos. Três praças estão sendo estudadas para receber este novo formato: Lisboa (mercado da Ribeira, conhecido como Time Out Market), de Porto e de Cascais.

Aulas ao vivo, com pelo menos um chef de cada região será levado a Portugal (Foto: Denison Fagundes)

A expedição, que acontece no fim de maio, vai desbravar o que será exposto durante o evento, ainda sem local definido. As curadoras portuguesa, Teresa Vivas, e brasileira, Luisa Fecarotta, vão embarcar nessa expedição para mapear as produções de amêijoas (um molusco), pão alentejano (mais robusto, com jeito próprio de preparo), doces conventuais (como encharcada), criação de porco preto alentejano e uma fazenda de produção de queijos certificados, nas regiões da Serra da Estrela, Alentejo, Algarve e Lisboa.

“A gente está pensando em ver as cerejeiras do Fundão, ver a história das bebidas (como o licor produzido lá), as queijadas de Sintra, os pastéis de nata. Sempre fazendo uma ponte com um historiador”, reforça Luisa. “A princípio, a ideia é tentar entender a relação da cozinha brasileira e da portuguesa, os ingredientes e produtos. Isso é muito importante, bem como o jeito super tradicional de preparo (das receitas)”. O projeto internacional é voltado às aulas a quatro mãos e ações pontuais em mercados existentes. O roteiro que mostra as semelhanças e diferenças das cozinhas será captado em vídeo.

Patrícia Tavares, responsável pelas relações internacionais do festival (Foto: Denison Faundes)

Diretora artística e relações internacionais do festival, Patrícia Tavares, explica no que consiste o Fartura: “eu enxergo como uma plataforma de comunicação, que inicia em uma expedição e dela surge uma conexão em rede entre produtores, chefs, governos, bares e patrocinadores”. Durante o ano, eles pesquisam a riqueza da cultura gastronômica brasileira e encerram o ciclo com um festival do que foi apurado pela região. “A ideia de ir para Portugual é, primeiro, porque é nosso país-mãe, então tem muitas comidas que a gente faz no Brasil, que a gente não tem ideia, mas que tem influência de lá”.

Para Portugal, foram pensadas nas aulas ao vivo, onde as pessoas comem e circulam (pelo mercado), uma área para exibir a expedição e um espaço para rodadas de negócios, onde os interessados se juntam para trocas. “Nessas conexões, a gente pode gerar negócios de importação e exportação. A hora que começo a entender os produtores de lá, eles podem trazer esses produtos para o Brasil. Ou ele começa a reconhecer o meu produto, e ele pode cozinhar lá, também. A gente chega com o papel de interface de troca”. Com isso, outra tarefa dessa etapa é levar chefs brasileiros (pelo menos um de cada região) para cozinhar com os portugueses, conectar as duas culturas e ir destacando os pontos em comum.

Expedição para levantar os produtores e chefs acontecerá agora em maio (Foto: Denison Fagundes)

O Fatura é maior do que apenas um festival de gastronomia. O evento é apenas a exposição de todo o trabalho que eles tiveram de descoberta de receitas e produtores locais, com chefs que vão além do circuito comercial. Funciona também como acervo de conteúdo, com vídeos, fotos, receitas, livro, relatos de personagens marcantes para a história de determinada região. Em 9 de junho, eles chegam com o festival na última região que faltava, a Centro-Oeste, com evento em Brasília, no espaço Pontão do Lago Sul.


O repórter viajou a convite da produção para acompanhar a edição porto-alegrense do festival, que aconteceu no último fim de semana (dias 5 e 6 de maio), no Boulevard Laçador (um shopping horizontal dedicado à gastronomia).

Você também pode se interessar:

Festival Fartura estuda edições em Brasília e Portugal, em 2018

Posts relacionados