(Foto: Shutterstock)

Por Kizzy Magalhães

Cravada no alto de uma cordilheira, Chefchouen tem clima de cidade do interior e é conhecida por ser “tudo azul” (como cantou Baby do Brasil). A cor onipresente faz a fama do lugar e garante muitas curtidas no Instagram

Ela foi fundada em 1471 para conter o avanço das tropas espanholas e portuguesas no continente africano, e virou refúgio de judeus expulsos da Espanha pelo Reis Católicos. As teorias para a cor azul vão desde a herança da ocupação judaica até as mais prosaicas como espantar mosquito. A Medina é das mais bonitas do país e os vendedores são surpreendentemente gentis, o total oposto dos agressivos colegas de Marrakesh.

(Foto: Kizzy Magalhães)

Xuén (para os íntimos) é perfeita para quem está de passagem. Em poucas horas se percorre a cidade inteira, incluindo a central Plaza Utah el-Hammam e o belo Kasbah, ponto turístico obrigatório. A cidade é repleta de riads e restaurantes. Em todos esses lugares haverá hospitalidade, gentileza e azulejos deslumbrantes. Mas não espere por arroubos gastronômicos, tampouco hotelaria de alto padrão.

Veja também:
Paradas obrigatórias na sua viagem pela Highway 1, na Califórnia

O Lina Ryad & Spa é dos melhores da cidade e o Dar Echchaouen uma boa opção mais afastada do centro. Entre os restaurantes, o “La Lamp Magique” tem a vista mais bonita e a Pizzaria Mandala é famosa entre os locais.

d’Akchour. Se Chefchouen é merecidamente conhecida como a “Pérola do Marrocos”, o verdadeiro segredo do país está há 40 minutos dali e se chama d’Akchour. O lugar perfeito para amantes de natureza, trilhas e cascatas. Há quem defenda que o lugar tem altas doses de energia e espiritualidade. A caminhada dentro da reserva natural tem grau moderado de dificuldade (com sinalização que deixa a desejar) e percorre-se cerca de 1 hora e meia até a cachoeira principal. A água esmeralda recompensa qualquer sacrifício. E congela a alma, diga-se de passagem. A Ponte de Deus também é must see para quem se aventura até lá.

Não tem nenhuma infra de restaurante, mas, se topar uma experiência roots, experimente os tagines preparados por moradores ao longo do caminho.

Perto das cachoeiras, o hotel L’Ermitage d’Akchour recebe os hóspedes com boa comida, massagem e bastante conforto. Os chalés privativos são aconchegantes e com vista privilegiada para as montanhas. O curso da água passa praticamente dentro da imensa área verde do lugar. Mesmo os mais estressados recebem altas doses de relax e natureza por osmose.

(Foto: Shutterstock)

Veja também: 

El Fenn: o castelo da rainha Madonna

 

_________________________________________________________________________________________________________________

Kizzy Magalhães

Diretora de TV com mais de 20 anos no mercado audiovisual (entre canais abertos, a cabo e produtoras independentes). Os últimos 10 anos foram dedicados ao Video Show, onde era Diretora Geral Artística. Desde 2017 vive em Lisboa com o marido e 2 filhos (7 e 9 anos). Apaixonada por Londres, onde morou por 2 anos antes de virar mãe do Antonio e do João. Ama viajar e comer. Muito, de preferência.

Posts relacionados