Bruno Halpern é endocrinologista e atualmente é vice-presidente da Federação Latino-Americana de Obesidade, além de ser membro do Departamento de Diabetes e Obesidade da Sociedade Brasileira de Diabetes e membro do Departamento de Epidemologia e Prevenção da Associação Brasileira para o Estuda da Obesidade. Especializado nesta área da medicina, Bruno também tem seu tempo de folga e desbrava diversos países e tenta descobrir novos restaurantes ao redor do mundo. Ele compartilhou com o V&G seis lugares que moram em seu coração. Confira:

La Vinya del Senyor, em Barcelona

Em uma das áreas mais turísticas de Barcelona, na Ribera, com bancos ao ar livre em frente à igreja de Santa María del Mar, tem inúmeros e pequenos bares que são verdadeiras armadilhas para os turistas, mas o Vinya del  Senyor é conhecido como um dos melhores bares de vinho de Barcelona, com opções que variam entre pequenos produtores da Catalunha e Espanha no geral, além de boas opções de jámon e queijos. É perfeito para um fim de tarde após passeio e está localizado em uma região fantástica. Os atendentes são prestativos e se o dia estiver feio, a área interna é aconchegante.

Plaça de Santa María, 5 – Barcelona/Espanha

La Vinya del Senyor, em Barcelona (Foto: reprodução Facebook)

Dica em Barcelona: a passos de distância fica o restaurante Passadís del Pep, numa casa sem fachada. Lá, não há cardápio, apenas um menu que muda diariamente com os frutos do mar mais frescos que chegaram a Barcelona naquele dia.

StraitsKitchen, em Cingapura

Para quem gosta de comer bem e experimentar de tudo, Cingapura é um paraíso, mas também é sufocante com tantas opções de tantas culturas diferentes. Nesse sentido, o StraitsKitchen é uma excelente introdução que desafia todo os esteriótipos. Localizado dentro do Grand Hyatt, funciona com sistema buffet e é absolutamente delicioso. Há sessões exclusivas, com chefs próprios que comandam cada especialidade culinária: sul-indiana, perakan (típica da ilha), malaia, chinesa, entre outras. Conhecendo melhor os pratos num primeiro dia você pode se sentir mais confiante nos seguintes para tentar as deliciosas comidas de rua dos “hawker centers” espalhados pela cidade, todos limpíssimos. Vá com fome!

10 Scotts Road – Cingapura

StraitsKitchen: culinária de diversos lugares (Foto: divulgação)

Markthalle Neun, em Berlim

É difícil pontuar uma única dia em Berlim, que sempre se reinventa. Mas uma boa oportunidade de conhecer um pouco a nova cara da cidade está no Markthalle Neun, um antigo mercado que abre suas portas às quintas, numa parte dilapidada do bairro de Kreuzberg (com uma grande população turca) para servir comida de diversas partes do mundo. Há barraquinhas para todos os gostos, desde o mais tradicional até o exótico e, além disso, o clima é totalmente despojado.

Eisenbahnstraße 42/43 – Berlim/Alemanha

BRLO, em Berlim

Um outro lugar muito interessante em Berlim é o BRLO, uma cervejaria localizada em um antigo galpão, na área central, porém praticamente deserta da cidade (bem próximo de onde passava o muro). Sua especialidade são os petiscos feitos à base de vegetais, mas também há carne para quem não consegui viver sem elas. Mas, sem dúvidas, a graça é provar as diversas invenções totalmente vegetarianas. A título de informação, Berlim é uma das cidades com maior número de veganos e com várias inovações na área da cadeira alimentar, com objetivo de reduzir o impacto ambiental da alimentação e o desperdício.

 Schöneberger Str. 16 – Berlim/Alemanha

BRLO, em Berlim (Foto: reprodução Facebook)

Lobster Pot, Treasure Beach, na Jamaica 

Aqui vou revelar um segredo que descobri na minha viagem à Jamaica e que guardo como uma das melhores experiências recentes que passei. A Jamaica é um país onde, praticamente, o turismo se define em hotéis all inclusive, dos quais eu não gosto. Desta forma, rumei para o sul da ilha, para Treasure Beach – uma pequena comunidade com bons hotéis, como o Jake’s, onde me hospedei, e um turismo bem mais despojado (mas confortável, tanto que o hotel já recebeu diversos prêmios internacionais e está numa área muito bonita). A 10 minutos de táxi do hotel fica um praia linda e praticamente deserta, chama Great Bay e lá há uma barraca de palha em que se lê “Lobster Pot”. É ali que, de segunda a sábado, um chef local espera os pescadores chegarem com lagostas frescas e prepara uma das melhores que já comi, enquanto você relaxa na praia e na sombra da sua barraca. Estive por lá num dia 31/12 e se havia dez pessoas na praia, era muito!

Treasure Beach/Jamaica

Tiraditos de Conchas do Café Museo Larco (Foto: divulgação)

Café Museo Larco, Lima

Lima é uma das melhores cidades do mundo para se comer e gastar uma refeição num restaurante de museu parece um desperdício. Isso foi o que eu pensei quando sentei lá, morrendo de fome, em minha primeira visita à cidade. E o que eu recebi foi uma comida de primeiríssima qualidade em um jardim lindo e que coroou minha visita ao belo museu. Tive a oportunidade de voltar em outra ocasião, exclusivamente pelo restaurante (afinal, já conhecia o museu) e não me decepcionei. Ceviches e frutos do mar preparados com perfeição e o melhor psico sour que tomei no Peru.

Avenida Simón Bolivar, 1509 – Cercado de Lima 

Dica em Lima: fora do circuito de Miraflores/Barranco, uma outra pedida sensacional é o Chez Wong, onde Javier Wong faz um ceviche e corta um linguado inteiro na frente dos clientes, todos os dias, há décadas.

Veja também: 

Onde comer em Lima, no Peru

Onde os chefs comem, com Mitshuaru Tsumura, do Maido

Conheça os pratos típicos do Peru

Cingapura: a incrível cidade do futuro

Posts relacionados