Por Juliana Gonçalez

Com a chegada o verão, nada como um bom vinho refrescante para matar o calor e te acompanhar em uma bela tarde de sol. O segredo na hora de escolher o rótulo ideal para este momento é só um: frescor!

A sua tarde pede um vinho sem muita complicação. Não precisa ser complexo, com passagem na barrica, notas terciárias, fermentação malotática e afins. Um bom vinho, geladinho e com uma acidez presente, será o companheiro ideal para te refrescar em dias de sol. Na coluna de hoje, trouxe sete vinhos que serão incríveis para uma tarde de calor. Confira:

A enófila Juliana Gonçalez compartilha sete vinhos para aproveitar no verão (Foto: acervo pessoal)

Garzón Estate Pinot Grigio

A Garzón é reconhecida pelo seu tannat expressivo e pelo ícone Balasto, mas, desta vez, o Pinot Grigio será a escolha ideal para o nosso verão. É uma casta famosa por sua alta acidez e toque cítrico, porém, nas mãos do enólogo da Garzón, você tem um resultado delicado e um vinho de médio corpo. Maçã verde e pera se sobressaem no nariz e, na boca, aquele toque cítrico dará uma sensação de frescor e mineralidade. Ele é versátil e acompanha aperitivos, frutos do mar, saladas e até mesmo pratos leves como peixe.

Pontuação Safra 2017: 90 Descorchados / País: Uruguai / Vinícola: Garzón / Preço Sugerido: R$80

Punto Final Sauvignon Blanc

Este Sauvignon Blanc não leva passagem na barrica, resultando em um vinho leve, com acidez equilibrada e superinteressante. É um vinho delicioso para se aproveitar na piscina ou num calor extremo, servido bem geladinho. No aroma você percebe notas cítricas de laranja, limão e abacaxi, sendo reconhecidas também no paladar, junto com um toque hebáceo. Ele é seco e persistente, ótimo para ser bebido só ou acompanhando um ceviche.

País: Argentina / Vinícola: Renacer / Preço sugerido: R$80

Quinta de Azevedo Vinho Verde

Vinho verde é uma denominação de origem controlada situada na província de Minho, em Portugal. A região tem influência direta com o oceano atlântico, solos, em sua maioria, graníticos e uma temperatura amena, o que resulta em vinhos com acidez marcante e super refrescantes. O Quinta de Azevedo Vinho Verde é produzido com 70% Loureiro e 30% Pedernã, sendo uma excelente opção desta região. No nariz traz aromas florais de laranjeira, com toques cítricos e minerais. Já na boca você percebe uma acidez vibrante, mineral e muito bem equilibrada. Excelente para beber acompanhando um almoço leve ou aperitivos.

País: Portugal / Vinícola: Quinta do Azevedo / Preço sugerido: R$150

Ser Guido Selection Riesling Pur Mineral

A Riesling é uma casta originária da Alemanha e uma das queridinhas no país. Já teve fama de ser uma casta adocicada, que vinha em garrafa azul, mas hoje, você encontra vinhos minerais, com personalidade, principalmente quando derivam de regiões frias. O Ser Guido Selection Pur Mineral é um excelente vinho, com muitíssima personalidade e frescor. Na boca você percebe notas frutadas, mineralidade e a alta acidez que faz salivar. Ele é ótimo para ser bebido só, porém sua alta acidez acompanha muitíssimo bem comidas gordurosas (onde limpa o paladar) ou cítricas (onde tem equilíbrio de sabores).

Premiação: Medalha Ouro Berlin 2017 / País: Alemanha / Vinícola: Sankt Anna / Preço sugerido: R$80

Corralillo Sauvignon Blanc 2017 Matetic 

A Matetic foi eleita a Vinícola Do Ano em 2014 pela revista Wine & Spirits, principalmente por conta da sua originalidade ao produzir vinhos de excelente qualidade. O Corralillo Sauvignon Blanc tem uma característica óbvia da casta: é um vinho super aromático. Contudo, por ser produzido em um terroir com clima frio, temos um resultado com aromas cítricos, herbáceos e um leve toque tropical. Na boca, o frescor da hortelã se mistura às frutas tropicais como abacaxi, damasco e maracujá, trazendo uma sensação refrescante a cada gole. Este é uma excelente opção para acompanhar um ceviche leve.

Pontuação Safra 2017: 91 Descorchados / País: Chile / Vinícola: Matetic / Preço sugerido: R$99,90

Rosabelle Rosé Pay d’Oc

Quem disse que rosés são apenas para a primavera? Proveniente do sul da França, o Rosabelle é ideal para o verão por ser um vinho jovem, charmoso e elegante. Ele é produzido a partir das castas Syrah, Grenache e Mouvedre, em videiras próximas às plantações de lavanda e rosas que influenciam no resultado do vinho. No nariz, você percebe um aroma delicado e floral e na boca, faz jus ao seu objetivo: é fresco, com notas de frutas vermelhas e a proximidade do Mediterrâneo traz um toque mineral ao vinho. Se quiser acompanhar com comida, o Rosabelle vai bem com saladas, carpaccio de salmão marinado e frutos do mar.

País: França / Vinícola: LGI Wines / Preço sugerido: R$80

Montes Cherub Rosé 2018

Com uma elegância única, este rosé da região de Vale de Colchagua, no Chile, é feito a partir das castas Syrah e Grenache, desengaçadas e prensadas imediatamente. O resultado é uma coloração cereja e um vinho aromático, lembrando frutas vermelhas frescas como morango e romã e um leve toque floral. Na boca você encontra uma elegância nítida, típico dos vinhos produzidos pela Viña Montes. Fresco, com uma acidez marcante, levemente encorpado e um final longo e cremoso. Ele é ótimo para acompanhar uma salada de salmão defumado em um dia quente.

Pontuação Safra 2018: 90 Descorchados / País: Chile / Vinícola: Viña Montes / Preço sugerido: R$118,90

Veja também: 

Porto Vintage 2017: um vinho para entrar para a história?

Para servir melhor: itens essenciais no seu bar


Juliana Gonçalez Furlan é formada em Direito, amante da boa gastronomia e enófila. Possui certificação internacional do WSET Level 2 e é estudante do Level 3. Trabalhou no mercado de vinhos e atualmente escreve sobre vinhos, harmonizações e enoturismo em seu Instagram e site pessoal.

Posts relacionados