Borgo Egnazi (Foto: divulgação)

O advogado Rogério Sfoggia é amante da gastronomia, bons vinhos e viajar. Se divide entre Porto Alegre e São Paulo, onde fica seu escritório e a redação da revista Versatille, da qual é publisher. Ele divide abaixo a experiência que teve na Puglia, no luxuoso hotel Borgo Egnazia

A convite do ilustre João Annibale, CEO da Leading Hotels of The World no Brasil, arrumei as malas e parti rumo à Roma. De lá, para Bari, capital da Puglia, na Itália. O objetivo era conhecer essa belíssima região localizada ao sul do país. Ao chegarmos, fomos gentilmente recebidos pela equipe da Benarrivati — empresa especializada em turismo de luxo na Itália — que nos levou ao Borgo Egnazia na cidade de Fasano. Um hotel que superou as expectativas em todos os sentidos.

Veja também:
Porque você vai querer conhecer a Puglia
Onde comer na Puglia

A localização
Está em uma região paradisíaca, cercado por oliveiras milenares, em uma área de 60 hectares e às margens do mar Adriático. Uma legítima experiência sensorial, mesmo para os mais experientes e exigentes viajantes. As 183 dependências contemplam 63 suítes, 92 apartamentos e 28 vilas. Todas as acomodações são excepcionais, mesmo as da categoria mais básica.

Borgo Egnazi (Foto: divulgação)

A arquitetura
A sensação que tive ao chegar foi de ter voltado aos anos 1.500 d.C., mas com toda a sofisticação do século XXI. As vilas são um show à parte. Algumas têm mais de 300 m2 de área privativa. Ao caminhar pelo complexo, a impressão é de que tudo ali foi minuciosamente pensado e desenhado para encantar e surpreender. A cada dez metros caminhados é possível modificar o ângulo de visão e deparar-se com uma paisagem diversa e instigante. Para os que preferem privacidade, o hotel foi tão bem projetado que você pode alojar-se acompanhado ou com a família e sequer ser visto pelos demais hóspedes.

Borgo Egnazi (Foto: divulgação)

Por lá, tudo pode ser customizado ou construído para agradá-lo. Por conta desses atributos, o local é point de jet setters e de famosos do mundo inteiro. E o bacana é que é igualmente atrativo tanto no verão quanto no inverno europeu. Tudo que o envolve  é diferenciado e exclusivo, seja pelo luxo, pelo bom gosto, pelos detalhes e pela arquitetura.

A gastronomia
Há diversos restaurantes distribuídos pela área do hotel. Em alguns deles pode-se realizar jantares e almoços privativos — com o auxílio de chefs — e provar dos ingredientes cultivados no local. A arte de comer e beber bem, na Puglia, segue a linha da melhor gastronomia italiana e está no mesmo nível do hotel. Durante os quatro dias que fiquei hospedado, almocei e jantei em restaurantes diferentes, com diferentes chefs.

O lazer
Há um campo de golfe de 18 buracos, denominado San Domenico Golf Course, que fica às margens do oceano com duas praias particulares. Por causa dessa atividade, atrai jogadores de todo o mundo. Outra atração imperdível é o Vair SPA, luxuoso e acolhedor. Iluminado por velas e candelabros, está localizado no subterrâneo e oferece um fantástico cardápio de massagens.

À noite, surge uma atmosfera única porque quase toda a iluminação se dá por luz indireta. Logo na entrada, duas lareiras ficam acesas durante todo o inverno. O clima é aconchegante. O local é cenário perfeito para um casamento inesquecível, que pode ser em torno das Villas ou na Masseria San Domenico, por exemplo. Próxima ao Borgo Egnazia, é uma linda “farhouse and templar watchtower” do século 14.

Castellana Grotte (Foto: Shutterstock)

Púglia ou Apulia e os passeios ao redor
Apúlia, em português, ou Puglia, como é chamada no resto do mundo, é uma região da Itália meridional com 4 milhões de habitantes espalhados por 19.000 km² de área. Chama a atenção pelas belezas naturais, por sua arquitetura, pelo mar, pelas oliveiras centenárias e pela produção dos vinhos Primitivo Di Manduria. Nossa viagem se concentrou nas proximidades do Borgo Egnazia, mais especificamente entre as cidades de Bari e Brindici. Num dos dias da viagem, visitei uma fazenda em Monopoli, cuja atividade central é a produção de azeite de oliva. Durante a visita, além de ter aprendido o método de produção e os segredos de um verdadeiro extravirgem, pude degustar o azeite em todos os seus estágios. Tarefa nada difícil para um apaixonado por azeite.

Não fosse isso, ainda vivi uma experiência como camponês, colhendo olivas com o pessoal da fazenda. É super interessante o sistema! Tratores chacoalham as árvores para que as olivas caiam e boa parte é manual. Após “a lida na roça”, fizemos um piquenique embaixo de uma oliveira para fechar o aprendizado com chave de ouro.

Alberobello (Foto: Shutterstock)

Outro programa interessante é conhecer a Castellana Grotte. O local é uma gruta que fica 300 metros abaixo do solo com pouco mais de 3 km de extensão. O lugar foi descoberto há milhares de anos e está num nível impressionante de preservação natural. Além da entrada de turistas ser limitada, no interior da gruta é proibido tocar, filmar e fotografar. Mas vale a visita para ver o crescimento natural das estalagmites e estalactites, que nos faz viajar no tempo. Alberobello também é parada obrigatória, especialmente para os viajantes que valorizam arquitetura, cultura e história. O vilarejo, totalmente preservado, conserva trullis com mais de 500 anos. Trulli é o nome dado às casas que eram construídas naquela região: construções rústicas em formato de “cone invertido” com telhados feitos com pedras.

Cada trulli tem o seu pináculo no topo do telhado, uma espécie de assinatura que caracterizava os construtores da época e diferenciava os estilos de construção. Durante a visita, conheci uma trulli original e uma trulli atual, utilizada por moradores locais e como hotel. Interessante observar a inteligência das obras daquela época, com noções claras de sustentabilidade. O vilarejo é uma simpatia à parte, com população hospitaleira e animada, cercado por pequenas lojas, que vendem artesanato, e bares.

Posts relacionados