Viajar com filhos não é tarefa fácil. A busca por destinos é interminável, afinal, há muitos critérios infantis que devem se sobressair na hora de escolher o lugar. É necessário observar se o hotel é kids friendly, se a cidade oferece programas e passeios voltados para crianças, além de restaurantes que recebam muito bem os pequenos. Para ajudar os papais nesta árdua missão, reunimos um time para compartilhar suas experiências ao redor do mundo na companhia dos filhos. Quer saber mais? Acompanhe a nova coluna “V&G Kids”

Centro da cidade de Zermatt (Foto: Gabriel Garcia Marengo)

Zermatt, no sul da Suíça, já é muito conhecida entre os praticantes de esqui. Com 1.600m de altitude, a cidadezinha fica ao pé da montanha Matterhorn e tem um pequeno vilarejo, com uma rua principal, a Bahnhofstrasse, que é repleta de lojas, hotéis, restaurantes e algumas atividades que os turistas aproveitam após as práticas de esqui. Zermatt foi um dos destinos escolhidos por Nina Sander, que aproveitou para ir com a filha de, até então, dois anos. Quer saber os detalhes desta aventura? Confira abaixo:

Cidade de Zermatt (Foto: Morgan Thompson)

“Eu e minha família passamos o Ano Novo na Suíça e, na época, minha filha tinha apenas dois anos. Antes de desembarcamos em Zermatt, estávamos em Zurich e para chegar ao nosso destino final, pegamos um trem direto para o vilarejo. Quem faz esse transporte é o Glacier Express, que é um trem lindo, feito todo de vidro, que nos presenteia com belíssimas paisagens”. Nina também indica o passeio para o público infantil e acredita que é uma experiência legal para as crianças.

O vilarejo, que tem cerca de 5 mil habitantes, tem uma atmosfera acolhedora e tranquila, ideal para ser explorado a pé. Nina explica que nas ruas de Zermatt não circulam carros, o máximo que existe na região são pequenos ônibus ou taxis elétricos ou dos próprios hotéis. O ambiente é gostoso para que os pequenos desbravem as ruas a pé, atividade que é complicada de ser realizada em cidades como São Paulo. E para tal ocasião, a mamãe dá a dica do centrinho da cidade, diz que é uma área super fofa agradável para caminhar.

A região central da cidade mostra uma Zermatt antiga, antes do alpinismo. Antigamente os moradores praticavam a agricultura de subsistência, os meses mais quentes serviam para produção e armazenamento de comida. Na época, as casas eram simples e de madeira, feitas sobre palafitas para afastar os ratos. Sendo assim, é próximo ao centro comercial da cidade que algumas dessas casas, e esse estilo de arquitetura, continuam preservadas.

Estação de esqui de Zermatt (Foto: Pixabay)

Uma vez que Nina estava de passagem para o ano novo, ela explica para o V&G quais foram as medidas, na questão programação, necessárias para aproveitar a data: “para o ano novo nos fizemos reserva, com bastante antecedência, em um restaurante”. Além disso, quem olha Zermatt de fora, pode ter a impressão de que lá é um local sem grandes movimentações, ainda mais no período da virada de ano, a mamãe mostra que esse pensamento é equivocado. “As expectativas para a virada não eram altas, nós não esperávamos nada demais e não sabíamos nem se haveria fogos, pois é uma cidade pequena. Mas, por incrível que pareça, quando deu meia noite soltaram vários fogos de artifício. Foi lindo!” conta Nina, após relembrar a beleza dos fogos no meio da neve.

E para quem tem interesse em levar os pequenos para as estações de esqui, e começar a introdução no esporte, Nina conta como foi o processo com sua filha, e dá dicas para os papais. “Na época a Alice era muito pequena, tinha dois anos, então não iniciamos ela nas aulas de esqui. Ela iniciou o esporte só aos três”. Por isso, Nina indica a locação de um sled para as crianças que ainda não tem idade suficiente para prática. Ela explica que são “mini trenós”, e que, com ele, conseguiam puxar a Alice para todo canto:  “andávamos no próprio centrinho da cidade com ele, puxando ela, por conta da neve. Também descíamos as montanhas a empurrando, a gente ia esquiando e ela descia junto com nos, no sled, foi super gostoso”.

Criança com instrutor na estação de esqui de Zermatt (Foto: Pixabay)
Montanha Matterhorn (Foto: Morgan Thompson)

Em Zermatt, assim como nos outros lugares, existe o esquema de aulas particulares de esqui, porém a forma como elas são conduzidas é diferente; os professores ficam esperando os alunos no topo da montanha, o que difere da maioria dos lugares, em que os profissionais sobem até o topo com os alunos. Em Zermatt, a pessoa deve alugar o esqui e subir sozinha, já com o seu próprio equipamento. Na visão de Nina, essa forma de conduzir as práticas de ensino tornam a situação um pouco mais complicada, por conta de todos os equipamentos.

Mudando para o cenário gastronômico, o V&G, junto com Nina, dá dicas do local. No pico da montanha existem diversos restaurantes que são gostosos para pequenos lanches, tomar um chocolate quente ou até mesmo um drinque. Além da culinária fantástica da área, os restaurantes do local tem uma vista privilegiada, para a montanha Matterhorn, que inspirou o logo do chocolate Toblerone. Segundo a mamãe, os dois melhores restaurantes da cidade são: Zum See, restaurante proxímo a Zermatt famoso pelos seu menu de frutos do mar, e o After Seven, local premiado com estrela Michelin que contempla a culinária de diversas partes do mundo, localizado dentro do Backstage Hotel, comandado pelo chef Ivo Adam.

Veja também: onde se hospedar e onde comer em Zermatt, na Suíça


Nina Sander viaja o mundo com os seus pequenos. Empresária, é a responsável por trás da marca Luca & Jack que tem coleções infantis e femininas. 

Booking.com

Posts relacionados