A capital lisboeta tem ótimos lugares para comer. É uma das coisas que eles mais gostam de fazer no dia a dia, inclusive. E, se deixar comida no prato, pode parecer uma ofensa. Abaixo, alguns novos lugares para comer e uma mescla dos tradicionais que merecem estar no seu roteiro por Lisboa.

Boi Cavalo
O chef Hugo Brito era artista plástico até que resolveu levar sua criatividade para os pratos do Boi-Cavalo (designação para gnu, em Portugal). Com passagens pela França (onde aprendeu receitas clássica), Itália e Holanda, sua ideia é usar as influências por onde passou para criar alimentos saborosos, com estética, resgatando tradições e dando ar de contemporaneidade. O lugar é super pequenininho, tem 24 lugares, divididos em mesas de dois e quatro lugares. A cozinha é aberta e você pode acompanhar todo o preparo de uma bancada, que separa os espaços. O restaurante funciona em um antigo açougue, com paredes de mármore quase até o teto e, sobre as mesas, luminárias bem retrô.

Niguiri de frango (Foto: Acervo Pessoal)

Experimentamos o menu degustação em seis tempos (€40 + €25 da harmonização com vinhos), com pratos bem interessantes, como a rabanada de tofu frito com creme wakame, o niguiri de frango frito, torrada de morcela com carne de caranguejo, molho de queijo e salada de ervas, além da sopa saborosa, mas nada fotogênica, de couve-kale com crocante de pompano (parecido com a garoupa) e azeite de chouriço. Por fim, o delicioso leite creme (creme brulè) salgado, com cardamomo, água de flor de laranjeira, gema curada e por baixo: chutney de ruibarbo e uma farofa de gema. Churros com doce de leite completa a dose.

R. do Vigário 70 B / Tel.: +351 21 887 1653


Já que estamos falando de comida, o estrelado chef José Avillez acabou de abrir uma cantina com pratos tipicamente portugueses…

Lisboa: Cantina Zé Avillez resgata origem dos restaurantes portugueses


Cervejaria Ramiro
Muito frequentada pelos brasileiros, a Cervejaria Ramiro é um convite para experimentar diferentes frutos do mar. Muitos camarões, mariscos, lagostas e lagostins fazem parte do extenso cardápio. Na foto, os carabineiros, que são uma espécie de camarão capturado em altas profundezas do mar. O quilo chega a custar €100 (cerca de R$ 400), mas aqui custam € 87 (aproximadamente R$ 350). As entradas, com pão e azeite, e o camarão com molho de alho e picante são deliciosos!

Carabineiro (Foto: Acervo Pessoal)

Quem ensinou a gente que não se deve desperdiçar nada do carabineiro foi o chef Alex Atala, que muito habilidoso mostrou que o crustáceo deve ser comido com as mãos: primeiro você solta o molho no prato e, em seguida, devora-se com pão. O ambiente da cervejaria é bem gostoso, cadeiras confortáveis, mas barulhento. São mesas e mais mesas que se juntam para receber grandes grupos. Se você não é do agito, apesar de o menu ser delicioso, melhor escolher outro destino.

Av. Almirante Reis nº1 – H / Tel.: +351 21 885 1024


…outra novidade é o Soão, restaurante asiático que não é focado apenas nos japoneses. Tem o que há de melhor na cozinha oriental…

Portugal: Soão junta cozinhas orientais em um único cardápio, em Lisboa


Tágide
Em um antigo restaurante (o Tágide, com três décadas) com ótima vista para o rio Tejo, o chef Gonçalo Costa dá vida nova a produtos realmente portugueses, como peixes de rio, carne de porco e hortifrutis da estação. Ele aplica a clássica técnica francesa – e aspirações que aprendeu nos cinco anos que passou no Brasil, pelo Unique e Chakras – aos produtos locais em receitas inventivas e pratos bastante deliciosos, como essa vitela com purê e legumes da Primavera. O ambiente do restaurante é super agradável, tem um clima moderno, e de suas paredes saltam alguns azulejos azuis, bem tradicionais. Sobre as escadas que levam ao salão principal, há lindos lustres dourados.

Vitela com purê e legumes (Foto: Acervo Pessoal)

Antes do menu degustação (€75 + €29 com harmonização), as delícias começam no couvert, com as manteigas de cabra, tomate seco, ervas finas e patê de salmão. Os cursos do menu são bem saborosos, como o cavala (peixe azul), aipo, ervas aromáticas, limão-kafir, base de frutos tropicais (manga, pitaya e abacaxi e pérolas de tapioca); a lagostim com película de colágeno de pé de porco braseada emulsionada com maionese e crosta verde de coentro; o foie gras com enguia defumada, tamarindo acompanhada de salicórnia (sal verde); a raia com aspargos, mini-camarões (camarinhas) do Tejo e açorda de aspargos e, por fim, vitela com purê e legumes. A sobremesa que abre sorrisos é um splash de morango com pistache e leite crocante.

Largo da Academia Nacional de Belas Artes 18-20 / Tel.: +351 21 340 4010


Tapisco
Conhecido pelo restaurante Alma, o chef Henrique Sá Pessoa também comanda o Tapisco. Mas pode esquecer os pratos de emoldurar. Aqui, o restaurante pratica um preço acessível e tem uma carta ibérica, com tapas espanholas e petiscos portugueses deliciosos. Experimente as opções de gin tônica, combine com o jamón Ibérico de bellota (servido em uma torrada, como mostra a foto). É delicioso para uma happy hour ou estender um pouco mais. O resto-bar fica no bairro Príncipe Real, trendy, cheio de lugares novos para ser desbravados. Além dos drinks e entradas, há uma seção dedicada aos tachinhos (aquelas pequenas panelas), em que são servidos pratos típicos: paella negra, açorda de gambas, ervilhas com chouriço de porco alentejano e estofado de lentejas (entre €19 e €29).

R. Dom Pedro V 81 / Tel.: +351 21 342 0681


Tasca da esquina
Quem está habituado com a Tasca da Esquina em São Paulo, do chef Vitor Sobral, vai se sentir em casa quando visitar a capital portuguesa. Localizado em uma esquina super charmosa, o restaurante de mesmo nome que o da capital paulista já está com um menu bem fresh e primaveril. Peça o menu descoberta (€29,50), com cinco cursos. Os destaques vão para os tacos de trigo com requeijão defumado e azeitonas + bolo lêvedo, presas de porco preto, amêndoa e maionese de porco, de entrada, da foto, e empada de perdiz (ave de caça) com vinagrete de mirtilos e salada, de principal. Imperdível!

Tasca da Esquina (Foto: acervo pessoal)

R. Domingos Sequeira 41C / Tel.: +351 919 837 255


…e tamém o restaurante Quórum, do Rui Silvestre, que era chef no Alentejo, largou tudo e abriu seu próprio negócio.

Portugal: Rui Silvestre “larga” estrela Michelin para abrir restaurante Quórum, em Lisboa


O repórter viajou a convite do Taste Portugal, um organismo da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) de Portugal, em parceria com a Rede de Restaurantes Portugueses pelo Mundo (RRPM). A hospedagem foi uma cortesia da rede Tivoli, organizada pela MKT Mix Brasil.

Posts relacionados