O tour gastronômico pela Itália continua, agora Roma, em busca do fettuccini Alfredo, servido com colher de ouro

Uma confortável e rápida viagem de trem bala separa Nápoles e Roma. Ficamos no hotel FourtySeven, uma excelente opção para quem quer conforto e luxo, com exclusividade e bom serviço, características de um bom hotel boutique, a apenas alguns passos dos locais históricos da Roma antiga. Lá a nossa busca foi para descobrir as origens do tradicional Alfredo e, claro, degustá-lo. São dois lugares onde indicam para comer o verdadeiro Fettuccini Alfredo, Il Vero Alfredo All’Augusteo (na Piazza Augusto Imperatore), onde a terceira geração da família prepara a massa artesanal com muito burro (manteiga) e queijo parmesão, e no Alfredo Scrofa, local que abrigava o antigo Alfredo original e por conta de dificuldades financeiras foi vendido, mas manteve o tradicional prato como carro chefe.

Roma - Fettuccini Imperatore
O original é realmente melhor, mas o Alfredo Scrofa não fica atrás: eles souberam manter a tradição do local, bem como a excelente pasta feita em casa, com o cremoso molho – uma delícia! Foi melhor Tiramissú que comi na Itália, molhadinho na medida. Voltando ao Il Vero, a pasta é finalizada na mesa, em uma travessa de prata com uma colher de ouro. Como deferência, a “Donna” recebe a travessa com a última porção de fettuccine. A parede é toda decorada com fotos de personalidades que provaram a iguaria – uma atração à parte. Têm gigantes internacionais, como Frank Sinatra, Walt Disney, Silvester Stallone, Ella Fitzgerald, e brasileiros, como o Rei Pelé, Caetano Veloso (numa hilária foto dele bem novinho com Paula Lavigne), Chico Buarque, Jorge Ben, entre outros.
 
Para tantas calorias é necessário caminhar, muito. Trastevere é imperdível para quem gosta de vida noturna, ruelas estreitas e charmosas dividem espaço com bares e restaurantes. No verão, ao lado do Rio Tigre inúmeras lojinhas, bares e restaurantes itinerantes são montados às margens do rio. Vale o passeio noturno – é uma delícia. Um pouco da história do Il Vero Alfredo All’Augusteo: Alfredo Di Lelio (Alfredo o primeiro), em 1908, era apenas um jovem com muita vontade de trabalhar e um apaixonado interesse pela arte culinária, que encontrou seu caminho para o sucesso e fama mundial a partir do pequeno restaurante de seu pai. Tudo começou quando sua esposa, Inês, deu à luz a seu primeiro filho. Ela ficou muito fraca e, após o parto, não sentia vontade de comer. Alfredo estava muito preocupado e uma noite sentiu que devia fazer alguma coisa. Pensou em preparar um prato para incentivá-la a comer e também alimentá-la com o que precisava. Pensou em um macarrão de sêmola feito à mão (mais leve que de farinha), preparado com manteiga de excelente qualidade e queijo parmesão fresco. Quando o prato estava pronto, com uma oração à Sant’Ana, o protetora do parto, trouxe para sua mulher, dizendo: “Se você não quiser, como eu!”. Ela aceitou e gostou tanto que pediu para adicioná-lo ao menu do restaurante.

 

Garçom em ação no Fettuccini, minutos antes de ser devorado…
Não é só de Fettuccini Alfredo que Roma vive… as opções deliciosas são inúmeras, entre elas, vale visitar:
  • O imperdível Nino – bagunçado, agitado, simples e igualmente delicioso, perto da Piazza da Spagna
  • Da giggetto – alcachofras fritas (região do Gueto)
  • Piperno – também as famosas alcachofras
  • Crispi 19 -moderno que me indicaram (não fui)
  • La Rosseta – também só recebi indicação

Posts relacionados